Um de quatro: álbuns favoritos 2018

Um de quatro é como uma resolução de ano novo para que tenhamos, a cada um dos quatro trimestres 2018, um post sobre os lançamentos musicais favoritos do blog

Os três primeiros meses de 2018 me trouxeram bons álbuns e, certamente, outros que não aparecem na lista e que têm qualidade, mas simplesmente não se encaixam nos estilos que ganham espaço no Yellow, nos meus fones e spotify.

Vamos lá!

Ruins | First Aid Kit

capa do álbum ruins da banda first aid kit

Eu nem sei se já havia parado para ouvir First Aid Kit em algum momento, apesar de certamente já ter avaliado o nome do duo sueco como bastante curioso. As irmãs Klara e Johanna Söderberg lançaram Ruins como seu quarto álbum de estúdio, uma produção que veio parar na minha lista por obra do acaso.

Ruins abre espaço para um indie folk que muito me agrada, mas que há muito eu não ouvia. O som, como se pode supor, é um pouco country, com letras inspiradas e som poético. Postcard, um dos singles e quarta faixa do álbum, foi a primeira a me conquistar para que eu não tivesse dúvida da minha decisão de seguir ouvindo:

Black Coffee | Beth Hart & Joe Bonamassa

capa do álbum black coffee de beth hart e joe bonamassa

Quem suspeita que Black Coffee chamou a minha atenção por causa do nome de Joe Bonamassa, acertou. Com todo respeito à Beth Hart, esse álbum quase nem apareceu no meu player porque o descobrir ao correr e prender o olho na combinação formada por blues + bonamassa.

Beth é cantora e se juntou a Joe para lançar alguns álbuns de covers. E é bem provável que um álbum de covers não viesse parar na lista de favoritos — salvo Blue & Lonesome, dos Stones — não fosse pela agradável e poderosa voz dela e pela inconfundível habilidade dele como guitarrista.

Nation of Two | Vance Joy

capa do album nation of two de vance joy

De todos os álbuns nessa lista, Nation of Two é um dos que eram aguardados, ainda que eu não soubesse que seu lançamento estava previsto para 2018. É que, desde que conheci Vance Joy ansiava por mais músicas dele.

Como escrevi em O conforto que o som familiar trazo segundo álbum de estúdio do rapaz traz a novidade que eu (e tantos outros) esperava, mas sem tirar tanto a Vance e seus ouvintes familiarizados com Riptide o conforto que ouvir um som que a gente gosta proporciona.

Stone Temple Pilots | Stone Temple Pilots

capa do álbum stone temple pilots 2018

De todos, esse foi o álbum mais aguardado por mim. Nos últimos anos, o Stone Temple Pilots sofreu com perdas dolorosas para a banda e para os fãs da música: em 2013, o vocalista Scott Weiland foi demitido e, então, a banda chamou Chester Bennington para substituí-lo.

Em 2015, Scott faleceu e Chester deixou a banda para se dedicar mais ao Linkin Park. E, infelizmente, Chester também faleceu, no final de 2017.

Depois de tudo isso, o STP anunciou ninguém menos do que Jeff Gutt como vocalista. E a questão é que eu conheço  Gutt desde 2012, em sua primeira aparição no The X Factor. Acompanhei tudo o que ele compartilhou, produziu e divulgou ao longo dos anos e, por isso, fiquei muuito animada quando ele conquistou essa baita e merecida chance.

Staying at Tamara’s | George Ezra

capa do álbum staying at tamara's de george ezra

Vocês se lembram de Budapest, certo? Provavelmente, ouviram até não aguentarem mais. Se for o caso, a boa notícia é que George Ezra está de volta, mas possivelmente sem nenhum hit com o mesmo potencial chiclete quanto esse que o apresentou para o mundo.

Em seu segundo álbum de estúdio, o cantor inglês de voz marcante o bastante para se tornar inconfundível (ou, ao menos, facilmente reconhecível) entrega mais de seu folk pop em uma sequência leve, agradável e divertida de faixas.

Por enquanto, isso é tudo! Gostaram muito de algum lançamento de 2018? Estão ansiosos por algum álbum que ainda está por vir nesse ano?

 

Anúncios

7 comentários sobre “Um de quatro: álbuns favoritos 2018

      1. I’m doing well. I’ve been listening to Italian rock quite a bit. Have you seen the video “Takagi & Ketra – L’esercito del selfie ft. Lorenzo Fragola, Arisa”? it’s really fun. I’ve also been listening to covers by Leo Moracchioli. He’s way out there and a bit hard core, but I like some of his covers of songs I don’t like — “Africa” by Toto is a good example. I never liked the original song, but Leo and Hannah really make it rock.

        Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s