Banda The Deal em: para quê serve uma música cover?

Vou chutar que a primeira coisa que você pensou ao ler o questionamento no título do post foi: uma música cover serve para prestar uma homenagem e permitir que os fãs tenham um contato mais próximo com sua banda, ou algo do tipo.

E isso certamente faz muito sentido, sobretudo pensando em cenários como o da minha Hellorizonte que não recebe personalidades da música mainstream com a frequência que gostaríamos. Ou até no fato de que muitas bandas e artistas dos quais gostamos já nem estão entre nós.

Assim, um cover cumpre o seu papel de homenagear alguém e permitir que outros fãs tenham um contato “ao vivo” com aquele som, ainda que a experiência jamais se iguale à original. E por aqui há diversas “bandas-tributo” que cumprem bem esse papel.

Porém, há mais um motivo que eu queria destacar e é o que trouxe a The Deal até aqui: a possibilidade de criar novas versões de músicas já conhecidas para apresentar o estilo de uma banda independente que busca espaço na cena musical.

Afinal, quem é a The Deal?

Banda de blues de Belo Horizonte The Deal

The Deal surgiu em 2013, na capital mineira, como resultado de uma parceria entre o vocalista e guitarrista Gustavo Lacerda e o baterista Glauco Leite. Eventualmente, o baixista Thiago Cansci se juntou à banda para deixá-la mais completa e o objetivo de todos, desde o início, era tocar blues.

Melhor dizendo, seu objetivo era traduzir seus sentimentos por meio do blues porque, como escrevi na Yellow Sounds #2 – BB King: Live at the Regal, blues é algo que se vive e se sente. E, de alguma forma, isso se transforma em música e os caras da The Deal sabem bem disso.

E já que mencionei B.B. King, vale dizer que o cara está na lista das importantes influências da banda, junto com Stevie Ray Vaughan e Joe Bonamassa, nomes conhecidos por mesclar estilos e apresentar um blues rock de qualidade.

A The Deal e o blues

Quando a The Deal começou, seus integrantes focavam no blues para participar de um movimento que crescia em Belo Horizonte. Por isso, apostavam na música cover que é mesmo uma porta de entrada para uma banda no cenário musical.

Sair dos covers para compor e apresentar seu som é um caminho natural para muitas bandas e algo essencial para aquelas que não querem dedicar sua existência a ser uma banda-tributo. E não tardou para que a The Deal começasse a ter música própria, apoiada no talento e na experiência prévia de Gustavo que, ao longo dos anos, se habituou a compor para outras bandas que teve.

Gradativamente, o som autoral foi ganhando espaço na rotina da banda, com todos participando do processo criativo. O baterista Glauco, assim como Gustavo, também é mente por trás das letras da The Deal, enquanto o baixista Thiago contribui mais para os arranjos e fazer o som fluir. Na verdade, no fim das contas lá no estúdio, as ideias e talentos se misturam para criar o resultado final.

Seguindo essa rotina, a ideia de deixar o cover um pouco de lado para focar no próprio som foi crescendo naturalmente, à medida que a The Deal criava mais, fazendo com que os caras passassem a gostar mais de tocar as suas músicas.

A importância dos covers enquanto versões

Quando uma banda chega ao estágio em que a The Deal chegou, surge uma dúvida comum: qual caminho seguir? Todo artista quer apresentar seu próprio som ao público. Ao mesmo tempo, sabe que a música cover é essencial para atrair a atenção desse público e conquistar seu espaço e tentar crescer a partir dai.

E é aí que a junção de ambas as coisas nos levam à importância do cover enquanto versão. A versão acontece quando uma banda coloca a sua identidade em uma música já conhecida, de outro artista. Algo que você certamente já conhece, mas pode conferir ao assistir ao vídeo abaixo, que eu achei fantástico:

No fim das contas, o cover enquanto versão é uma ótima forma de dar ao público o que ele quer — um som familiar e já apreciado —, mas aproveitando a oportunidade para mostrar o próprio estilo. Quando tudo dá certo, o resultado é que uma parcela dessas pessoas pode acabar se interessando em conhecer mais a banda e seu som autoral.

“O cover é fundamental para o surgimento de novas bandas. O cover, pra gente, foi nossa preparação para nossas músicas autorais e agora a gente precisa deles para atrair o público”, explicou Gustavo Lacerda ao Yellow.

E o que vem depois dos covers, das músicas autorais e das versões?

O sonho de toda banda é não precisar contar para sempre com as versões para atrair a atenção do público. A expectativa — e os caras da The Deal trabalham muito para isso — é fazer com que a música de seus ídolos e artistas inspiração seja cada vez menos necessária como chamariz.

Em meio à dúvida entre lançar um disco só de autorais, lançar um só de versões ou seguir mesclando as duas coisas, há uma certeza: o crescimento de uma banda e o reconhecimento de seu som e identidade próprios não precisa “eliminar” o cover de suas apresentações.

Basta ter em mente que até os gigantes do rock, em suas apresentações ao vivo ou até em álbuns, eventualmente escolhem uma música de outro artista e compartilham suas próprias versões. E quando a The Deal vai chegar a esse estágio em sua trajetória musical? Só acompanhando para saber!

The Deal: site | facebook | instagram | spotify

Eu conheço a The Deal pelo Gustavo que, inclusive, agradeço pela conversa que tornou este post possível. Somos amigos e a ideia de trazer a banda pro Yellow foi minha. Eu não queria simplesmente apresentar os caras, mas sempre que faço isso por algum artista, é porque realmente gosto do que ouço — faz parte da política do blog!

Da primeira vez que ouvi os caras, eu gostei. Mas esse gosto também tinha sua razão na amizade. O tempo passou e eu constatar a evolução vocal do Gustavo e o amadurecimento da banda que se refletiu na minha surpresa quando ouvi Sick Man Blues (autoral que está no Spotify). Ouçam e volte aqui para me contar o que acharam, combinado? Tô esperando :)

Anúncios

3 comentários sobre “Banda The Deal em: para quê serve uma música cover?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s